Topo
Rico Vasconcelos

Rico Vasconcelos

Categorias

Histórico

Use o seu celular para se prevenir do HIV

Rico Vasconcelos

2001-02-20T19:04:00

01/02/2019 04h00

Crédito: iStock

Os smartphones causaram uma revolução neste planeta durante a última década. Por facilitarem a comunicação entre as pessoas, pouco a pouco reinventaram tudo aquilo que existe na humanidade. Relacionamentos, eleições, crimes ou finanças, tudo mudou. Nem mesmo a saúde escapou desse fenômeno.

O setor de tecnologia da informação que faz a interface com o cuidado da saúde, chamado mHealth –de mobile Health, que pode ser traduzido como Saúde Móvel – é um dos que mais tem se desenvolvido nos últimos anos. Para entender o que estou falando, basta lembrar do número de apps para quem deseja ter uma atividade física regular ou dos relógios de pulso que registram passos, distância e batimentos cardíacos.

Até na prevenção do HIV e outras infecções sexualmente transmissíveis (ISTs) isso se tornou uma realidade, e nos EUA já existe, por exemplo, uma empresa que oferece todo o serviço de Profilaxia Pré-Exposição ao HIV (PrEP) pelo celular.

Com o app, o usuário realiza desde a primeira conversa com o médico, para tirar suas dúvidas sobre a estratégia de prevenção, até as consultas de retorno com todo o aconselhamento necessário. Os comprimidos são entregues onde o usuário escolher e uma consulta presencial é orientada só quando for necessária.

Os exames são feitos em casa, por meio de kits de autocoleta, que são entregues e enviados de volta por correio. Ou então em uma rede de laboratórios conveniados que processam as análises e enviam os resultados para os médicos do app.

O objetivo de uma abordagem virtual como essa é a ampliação do acesso à saúde e não a substituição do modelo tradicional de assistência. É fazer a PrEP chegar onde não estava chegando antes. Frequentemente os serviços de saúde não acolhem o usuário como deveria. E além disso, encarar um profissional da saúde e falar abertamente de sua vida sexual e vulnerabilidades pode não ser algo fácil para todo mundo.

O potencial inclusivo desse modelo de assistência já está sendo estudado. No estudo PrEPTECH, publicado no início do mês no Journal of Acquired Immune Deficiency Syndrome, jovens negros gays e bissexuais de San Francisco, nos EUA, foram convidados para entrar num programa virtual e gratuito de PrEP, como o descrito acima. Ao fim de 180 dias de acompanhamento, 85% dos participantes consideraram essa a melhor maneira de se receber PrEP e 100% deles acharam o serviço rápido e conveniente. Não houve nenhum caso de infecção por HIV registrado.

Para quem não sabe, jovens negros gays e bissexuais são o grupo populacional mais vulnerável à infecção por HIV nos EUA. Estima-se que cerca de 50% deles, ao longo das suas vidas, vão se infectar com o vírus. E, não coincidentemente, são os que menos acessam a PrEP. A exclusão social os torna vítimas duplamente.

No Brasil vemos algo muito parecido acontecendo com a população trans, que apresenta as maiores prevalências de infecção por HIV e as menores porcentagens de busca por PrEP.

Estigma e discriminação são causas da exclusão social que afasta milhares de pessoas em todo o mundo da cidadania plena, vulnerabilizando-as ao HIV e outros desfechos indesejados. Por esse e outros motivos, o dia 29 de janeiro é o Dia da Visibilidade Trans.

A tecnologia não tem preconceitos e está mostrando que pode ajudar no acesso às ferramentas, como a PrEP, capazes de proteger do HIV. Enquanto isso, a humanidade vai evoluindo mais lenta que a internet, aos poucos entendendo o mal que a sua discriminação causa na vida das pessoas.

Sobre o autor

Médico Infectologista formado pela Faculdade de Medicina da USP, Rico Vasconcelos trabalha e estuda, desde 2007, sobre tratamento e prevenção do HIV e outras ISTs. É atualmente coordenador do SEAP HIV, o ambulatório especializado em HIV do Hospital das Clínicas da FMUSP, e vem participando de importantes estudos brasileiros de PrEP, como o iPrEX, Projeto PrEP Brasil, HPTN083 (PrEP injetável) e na implementação da PrEP no SUS. Está terminando seu doutorado na FMUSP e participa no processo de formação acadêmica de alunos de graduação e médicos residentes no Hospital das Clínicas. Também atua na difusão de informações dentro da temática de HIV e ISTs no Brasil, desenvolvendo atividades com ONGs, portais de comunicação, agências de notícias, seminários de educação comunitária e onde mais existir alguém que tenha vida sexual ativa e possua interesse em discutir, sem paranoias, como torná-la mais saudável.

Sobre o blog

Com uma abordagem moderna e isenta de moralismo sobre HIV e ISTs, dois assuntos que tradicionalmente são soterrados por tabus e preconceitos, Rico Vasconcelos pretende discutir aqui, de maneira leve e acessível, o que há de mais atual e embasado cientificamente circulando pelo mundo. Afinal, saber o que realmente importa sobre esse tema é o que torna uma pessoa capaz de gerenciar sua própria vulnerabilidade ao longo da vida sexual. Podendo assim encontrar as melhores maneiras para manter qualidade no sexo, e minimizar os prejuízos físicos e psicológicos associados ao HIV e ISTs.