menu

Topo
Rico Vasconcelos

Rico Vasconcelos

Categorias

Histórico

O segundo erro do governo Bolsonaro na luta contra o HIV

Rico Vasconcelos

2022-05-20T19:15:04

22/05/2019 15h04

Crédito; iStock

Na última sexta-feira foi publicada no Diário Oficial da União a nova organização dos departamentos e coordenações do Ministério da Saúde. Elas causaram ainda mais preocupação com os passos do atual governo na área da saúde entre todos aqueles que, de alguma forma, se relacionam com o tema HIV. E deveriam também preocupar toda a população brasileira.

As mudanças no Departamento de HIV/Aids são mais um dos erros que a gestão atual do Ministério da Saúde tem cometido desde a sua posse.

A partir de agora, o órgão responsável pelo enfrentamento da epidemia de HIV/Aids, desde a sua prevenção até o tratamento, foi reduzido de um departamento para uma coordenadoria. E passa então a dividir funções e orçamento com pastas de temas completamente desconectados. Um exemplo disso são as chamadas "Doenças em Eliminação" alocadas, na nova estrutura, sob o mesmo departamento que o HIV.

A quais doenças se refere o termo "em eliminação", não é definido no texto, mas uma interpretação possível seriam as verminoses e doenças transmitidas pela falta de saneamento básico.

A eliminação real que vejo é a do protagonismo do Departamento de HIV/Aids, criado em 1986 e colecionador de prêmios, elogios e marcos na história da epidemia mundial de HIV, como o oferecimento gratuito do tratamento antirretroviral, PEP e PrEP.

Departamento esse que, antes de ser agora esvaziado, no ano de 2018 anunciou como resultado de suas ações a redução histórica de 15,8% em apenas 3 anos na mortalidade por Aids no Brasil.

Ao diminuir a importância da resposta brasileira à epidemia de HIV/Aids, o governo caminha na contramão das tendências mundiais e expõe o seu total desconhecimento sobre o assunto.

Isso fica ainda mais gritante se o argumento da nova organização for a economia de recursos, uma vez que a Aids é ainda uma das principais causas de mortes, todos os anos, entre adultos jovens, segundo o último relatório da Organização Pan-Americana de Saúde. Adultos estes que poderiam ter seguido suas vidas com saúde e produtivas para o país, se tivessem recebido a atenção necessária para a infecção por HIV.

O enfrentamento da epidemia de HIV é complexo e envolve mais do que ciência e financiamento. Ele requer comprometimento e sensibilidade na formulação das políticas públicas de saúde, levando em conta o impacto que têm todos os tipos de discriminação e exclusão social.

Aliás, as ferramentas técnicas para que mais ninguém se infecte ou morra por HIV já existem. E a persistência no registro desses números fala muito mais sobre o descaso dos governantes do que da falha da medicina.

Simplificar, reduzir e ignorar o HIV/Aids é um erro que pode devastar gerações. Não podemos tratar HIV como se fosse uma verminose. No Brasil, estávamos caminhando na direção certa. E precisamos voltar para lá antes que seja tarde.

Sobre o autor

Médico Infectologista formado pela Faculdade de Medicina da USP, Rico Vasconcelos trabalha e estuda, desde 2007, sobre tratamento e prevenção do HIV e outras ISTs. É atualmente coordenador do SEAP HIV, o ambulatório especializado em HIV do Hospital das Clínicas da FMUSP, e vem participando de importantes estudos brasileiros de PrEP, como o iPrEX, Projeto PrEP Brasil, HPTN083 (PrEP injetável) e na implementação da PrEP no SUS. Está terminando seu doutorado na FMUSP e participa no processo de formação acadêmica de alunos de graduação e médicos residentes no Hospital das Clínicas. Também atua na difusão de informações dentro da temática de HIV e ISTs no Brasil, desenvolvendo atividades com ONGs, portais de comunicação, agências de notícias, seminários de educação comunitária e onde mais existir alguém que tenha vida sexual ativa e possua interesse em discutir, sem paranoias, como torná-la mais saudável.

Sobre o blog

Com uma abordagem moderna e isenta de moralismo sobre HIV e ISTs, dois assuntos que tradicionalmente são soterrados por tabus e preconceitos, Rico Vasconcelos pretende discutir aqui, de maneira leve e acessível, o que há de mais atual e embasado cientificamente circulando pelo mundo. Afinal, saber o que realmente importa sobre esse tema é o que torna uma pessoa capaz de gerenciar sua própria vulnerabilidade ao longo da vida sexual. Podendo assim encontrar as melhores maneiras para manter qualidade no sexo, e minimizar os prejuízos físicos e psicológicos associados ao HIV e ISTs.