PUBLICIDADE

Topo

Histórico

Categorias

Parada LGBT de SP pode hoje escolher pela primeira vez HIV/Aids como tema

Rico Vasconcelos

09/01/2020 04h00

Leonardo Benassatto/Framephoto/Estadão Conteúdo

O ano mal começou e as coisas já estão quentes no mundo do HIV/Aids no Brasil. Mas dessa vez é por um bom motivo e não como no início do ano passado.

A ONG da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, a maior do país, decidirá por votação hoje (9) o tema da edição de 2020 do evento. E um dos candidatos finalistas é o que me interessa aqui: "Democracia é Acesso! LGBT + Prevenção e Tratamento do HIV e da Aids".

Desde 1997, ano da primeira Parada de SP, diversos foram os temas que já figuraram as edições do evento. Boa parte deles apontaram reivindicações que, dentro de algum tempo, acabaram se tornando vitórias para a comunidade LGBT brasileira. Exemplos disso são o uso do nome social pelas pessoas trans, o casamento homoafetivo e a até a criminalização da LGBTfobia.

Aliás, nesses 23 anos de Parada em São Paulo, em 10 deles os temas de alguma forma envolveram LGBTfobia. E em absolutamente nenhuma edição chegou nem perto do HIV/Aids.

De fato, por mais que a epidemia de HIV acometa de maneira desproporcionalmente mais pesada a população LGBT, é nítido como existe uma grande dificuldade para que esse grupo se aproprie da causa com a prioridade que ela requer.

Caetano Veloso, por exemplo, cantou em 1992 na música Americanos:

"…Só um genocida em potencial

– De batina, de gravata ou de avental –

Pode fingir que não vê que os viados

– Tendo sido o grupo – vítima preferencial –

Estão na situação de liderar o movimento para deter

A disseminação do HIV…"

Apesar disso, 28 anos depois, vemos ainda que, para muitos viados, a epidemia de HIV/Aids deve ser uma preocupação apenas dos outros, mas não deles. Ou ainda, afirmam equivocadamente "sabia que não são só os LGBTs que pegam HIV, por isso associar essa epidemia a eles é só mais um jeito de reforçar estigmas ultrapassados".

Ajudar a população que é a mais afetada pela epidemia de HIV/Aids não é reforçar estigmas. É dar a importância certa para aquilo que merece toda a importância.

Em 2018, escrevi um texto aqui nessa coluna discutindo como o não priorizar dos LGBTs na epidemia de HIV/Aids poderia ser prejudicial para eles próprios. Demonstrei que o número de mortes nesse grupo em decorrência da Aids anualmente é quase 10 vezes maior do que as por violência motivada por LGBTfobia.

Um estudo também de 2018 demonstrou que, em São Paulo, enquanto a prevalência da infecção por HIV na população geral era de 0,4%, entre os homens gays já chegava a 25%. E mesmo assim, nesses últimos dois anos pouca coisa mudou na percepção das pessoas sobre essa epidemia.

A comunidade LGBT em grande parte continua sendo sorofóbica, discriminando as pessoas que vivem com HIV, mesmo havendo múltiplas novidades da Prevenção Combinada, e fingem que esse assunto não existe, facilitando assim o crescimento da epidemia.

Mas, felizmente, isso pode começar a mudar se o tema em questão for o escolhido para a Parada 2020. O debate sobre o acesso à informação, educação sexual, diagnóstico, tratamento e prevenção do HIV e outras infecções sexualmente transmissíveis se tornará, com isso, um ponto central de discussão no Brasil, já que aquilo que é abordado pela maior das paradas costuma ser replicado pelas demais paradas do país.

A própria cidade de São Paulo é um bom exemplo de como falar sobre o HIV e sua prevenção é um jeito eficiente para se reduzir o número de novos casos da infecção.

Caetano Veloso, muito antes da primeira Parada do Orgulho LGBT acontecer, já sabia o caminho certo para virar o jogo contra essa epidemia. Ainda dá tempo de ouvi-lo.

Só precisamos encarar a questão com seriedade e de frente.

Compartilhe a #paradapelaaidseohiv e marque a @paradasp

Sobre o autor

Médico Infectologista formado pela Faculdade de Medicina da USP, Rico Vasconcelos trabalha e estuda, desde 2007, sobre tratamento e prevenção do HIV e outras ISTs. É atualmente coordenador do SEAP HIV, o ambulatório especializado em HIV do Hospital das Clínicas da FMUSP, e vem participando de importantes estudos brasileiros de PrEP, como o iPrEX, Projeto PrEP Brasil, HPTN083 (PrEP injetável) e na implementação da PrEP no SUS. Está terminando seu doutorado na FMUSP e participa no processo de formação acadêmica de alunos de graduação e médicos residentes no Hospital das Clínicas. Também atua na difusão de informações dentro da temática de HIV e ISTs no Brasil, desenvolvendo atividades com ONGs, portais de comunicação, agências de notícias, seminários de educação comunitária e onde mais existir alguém que tenha vida sexual ativa e possua interesse em discutir, sem paranoias, como torná-la mais saudável.

Sobre o blog

Com uma abordagem moderna e isenta de moralismo sobre HIV e ISTs, dois assuntos que tradicionalmente são soterrados por tabus e preconceitos, Rico Vasconcelos pretende discutir aqui, de maneira leve e acessível, o que há de mais atual e embasado cientificamente circulando pelo mundo. Afinal, saber o que realmente importa sobre esse tema é o que torna uma pessoa capaz de gerenciar sua própria vulnerabilidade ao longo da vida sexual. Podendo assim encontrar as melhores maneiras para manter qualidade no sexo, e minimizar os prejuízos físicos e psicológicos associados ao HIV e ISTs.

Rico Vasconcelos