PUBLICIDADE

Topo

Novo estudo avaliará o uso da PrEP injetável em adolescentes

Rico Vasconcelos

07/08/2020 04h00

iStock

Os jovens de hoje são o futuro do Brasil. Mas também têm sido motivo de preocupação das autoridades de saúde pública, pois é entre eles que o número de novos casos de infecção por HIV mais aumentou na última década. Por isso, adultos jovens e adolescentes se tornaram um grupo prioritário e de especial interesse para os projetos de pesquisa de prevenção de HIV.

Segundo a última atualização do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (UNAIDS), 1,7 milhão de pessoas se infectaram com HIV em 2019, o equivalente a 4.500 novas infecções por dia, sendo que 31% delas ocorreram entre pessoas com menos de 24 anos de idade.

No Brasil, segundo dados do Ministério da Saúde, a taxa de detecção de casos de Aids aumentou nos últimos dez anos em 62% entre homens com idade entre 15 a 19 anos e em 95% entre os de 20 a 24 anos.

Esse cenário se torna ainda mais complicado, pois o impacto do uso de novas e potentes estratégias de prevenção, como a PrEP (Profilaxia Pré-Exposição), já se mostrou limitado em estudos com pessoas mais jovens. O problema aqui está principalmente na dificuldade encontrada para manter os jovens retidos ao seguimento proposto e com boa adesão aos comprimidos da PrEP, elemento fundamental para a garantia da eficácia protetora.

Recentemente, os dados do estudo HPTN 083 demonstraram que a PrEP Injetável de Longa Duração, que utiliza o antirretroviral Cabotegravir administrado por via intramuscular a cada 2 meses, foi bem tolerada pelos participantes incluídos e se mostrou ainda mais eficiente na prevenção contra o HIV do que a PrEP com comprimidos diários.

Uma das hipóteses para explicar a superioridade encontrada da PrEP Injetável é a não exigência de um comprometimento diário de adesão aos medicamentos, sendo necessárias apenas as aplicações bimestrais para se manter o nível protetor de antirretroviral no corpo dos indivíduos.

Uma estratégia de prevenção com essas características é especialmente atraente para a população de adolescentes e adultos jovens. Por isso, foi idealizado o HPTN 083-01, um estudo que pretende avaliar a segurança e a aceitação da implementação da PrEP Injetável entre rapazes gays e meninas transexuais menores de 18 anos de idade.

O estudo pretende incluir 50 participantes em 3 cidades dos Estados Unidos (Boston, Chicago e Memphis), com a proposta de acompanhá-los por cerca de 20 meses.

Além do HPTN 083-01, já existe em fase de elaboração um estudo com desenho bastante semelhante chamado LIFT, direcionado para o público feminino cisgênero de meninas e adolescentes com menos de 18 anos na África do Sul, Uganda e Zimbábue.

O interesse científico em investigar o uso dessas estratégias em populações mais jovens é de extrema importância, pois poderá acelerar o processo de liberação do uso da PrEP Injetável em adolescentes pelas agências regulatórias, o que poderia mudar a tendência de juvenilização da epidemia de HIV no mundo. Para se ter uma ideia, a PrEP com comprimidos diários oferecida pelo SUS (Sistema Único de Saúde) até hoje é liberada apenas para pessoas maiores de 18 anos.

Para tentar mudar essa restrição, existe em andamento, nas cidades de São Paulo, Salvador e Belo Horizonte, o PrEP1519, um projeto de pesquisa que está avaliando a implementação de um programa de prevenção combinada direcionada para adolescentes vulneráveis. Os interessados podem encontrar mais informações no www.PrEP1519.org .

Cuidar da saúde dos mais jovens é cuidar do futuro do Brasil. E quando falo em cuidar, me refiro a algo muito mais amplo que oferecer PrEP e prevenir neles as infecções por HIV. É preciso garantir para eles saúde sexual, naturalizando e estimulando o debate aberto sobre sexualidade, para assim capacitá-los para se engajarem em comportamentos sexuais mais saudáveis.

Silenciar essa discussão ou proibir a sexualidade dos mais jovens apenas contribuirá com o aumento dos casos de HIV e outras ISTs (infecções sexualmente transmissíveis) no Brasil.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Médico Infectologista formado pela Faculdade de Medicina da USP, Rico Vasconcelos trabalha e estuda, desde 2007, sobre tratamento e prevenção do HIV e outras ISTs. É atualmente coordenador do SEAP HIV, o ambulatório especializado em HIV do Hospital das Clínicas da FMUSP, e vem participando de importantes estudos brasileiros de PrEP, como o iPrEX, Projeto PrEP Brasil, HPTN083 (PrEP injetável) e na implementação da PrEP no SUS. Está terminando seu doutorado na FMUSP e participa no processo de formação acadêmica de alunos de graduação e médicos residentes no Hospital das Clínicas. Também atua na difusão de informações dentro da temática de HIV e ISTs no Brasil, desenvolvendo atividades com ONGs, portais de comunicação, agências de notícias, seminários de educação comunitária e onde mais existir alguém que tenha vida sexual ativa e possua interesse em discutir, sem paranoias, como torná-la mais saudável.

Sobre o blog

Com uma abordagem moderna e isenta de moralismo sobre HIV e ISTs, dois assuntos que tradicionalmente são soterrados por tabus e preconceitos, Rico Vasconcelos pretende discutir aqui, de maneira leve e acessível, o que há de mais atual e embasado cientificamente circulando pelo mundo. Afinal, saber o que realmente importa sobre esse tema é o que torna uma pessoa capaz de gerenciar sua própria vulnerabilidade ao longo da vida sexual. Podendo assim encontrar as melhores maneiras para manter qualidade no sexo, e minimizar os prejuízos físicos e psicológicos associados ao HIV e ISTs.