Topo
Rico Vasconcelos

Rico Vasconcelos

Categorias

Histórico

Casais sorodiferentes para HIV podem engravidar da forma tradicional

Rico Vasconcelos

15/11/2019 04h00

Crédito: iStock

Durante a última semana, aconteceu na cidade de Basileia, na Suíça, a 17ª Conferência Europeia de HIV, evento que reúne especialistas sobre o tema para discutir os avanços e novidades científicas do tratamento e prevenção desse vírus. E em mais uma vez os europeus impressionaram positivamente o resto do mundo.

Tradicionalmente os europeus costumam ser progressistas nos seus posicionamentos sobre questões polêmicas que envolvem o HIV. Em 2008, por exemplo, nesse mesmo país onde agora é realizada a conferência, pela primeira vez alguém afirmou oficialmente que, sob tratamento antirretroviral adequado, uma pessoa que vive com HIV deixa de transmitir seu vírus por via sexual.

Segundo o Swiss Statement, documento elaborado pelo ministério da saúde daquele país, depois de iniciados os medicamentos para tratar o HIV e alcançada a carga viral indetectável por no mínimo 6 meses, na ausência de outra infecção sexualmente transmissível (IST), o risco de transmissão sexual do vírus era zero.

Naquele ano, a declaração causou um terremoto na comunidade científica internacional e teve até gente chamando o governo suíço de inconsequente, podendo provocar uma explosão mundial de novos casos de HIV com seu posicionamento. A explosão de fato não aconteceu. Ao contrário disso, a ampliação do uso do tratamento antirretroviral fez com que os novos casos parassem de crescer. E agora, 11 anos depois, com inúmeros estudos comprovando o Statment, e até mesmo mostrando que o risco é zero independentemente da presença de outra IST concomitante, não restam mais dúvidas de que o Indetectável é mesmo Intransmissível (I=I).

Nesses 11 anos, no entanto, muita gente se posicionou contra o conceito do I=I, na maioria das vezes motivado por preconceito ou sorofobia, ignorando as evidências científicas. Mas, aos poucos, o I=I tem se difundido, funcionando como uma potente ferramenta de combate ao estigma e discriminação existente com as pessoas que vivem com HIV.

Uma das áreas da medicina em que mais se relutou para incorporar o conceito do I=I foi a saúde reprodutiva. E o fato dos profissionais que trabalham nessa área continuarem insistindo que o risco de transmissão do HIV continuaria sempre existindo, independente do tratamento, fez com que inúmeros casais sorodiferentes abandonassem o plano de ter filhos. Mas essa semana a Suíça novamente nos surpreendeu.

Durante o evento da última semana, foi lançada a 10ª edição do Guia da Sociedade Europeia Clínica de Aids, e nele há um capítulo atualizado sobre saúde reprodutiva que estabelece que se num casal sorodiferente a pessoa que vive com HIV está com a carga viral indetectável, a tentativa de engravidar pode ser feita da maneira tradicional, com o sexo sem preservativo. Da mesma forma que qualquer outro casal do mundo faria. Mais do que isso, a reprodução assistida com a utilização da Lavagem de Esperma, um procedimento extremamente caro que foi exigido por anos para a eliminação do vírus, deixa no novo guia de ser recomendada.

É bom lembrar que todas as demais recomendações para um casal que pretende engravidar continuam valendo, como o início do pré-natal antes mesmo da concepção, com a investigação das demais ISTs e a escolha do melhor esquema antirretroviral para uma mulher gestante.

A incorporação do conceito I=I às recomendações de saúde sexual e reprodutiva da sociedade europeia de HIV é um marco na história do enfrentamento do HIV e uma vitória da ciência contra a sorofobia. Algo que em breve passará a ser reconhecido e recomendado no resto do mundo, trazendo melhora considerável na vida de milhões de pessoas que vivem com esse vírus sob tratamento.

 

 

 

Sobre o autor

Médico Infectologista formado pela Faculdade de Medicina da USP, Rico Vasconcelos trabalha e estuda, desde 2007, sobre tratamento e prevenção do HIV e outras ISTs. É atualmente coordenador do SEAP HIV, o ambulatório especializado em HIV do Hospital das Clínicas da FMUSP, e vem participando de importantes estudos brasileiros de PrEP, como o iPrEX, Projeto PrEP Brasil, HPTN083 (PrEP injetável) e na implementação da PrEP no SUS. Está terminando seu doutorado na FMUSP e participa no processo de formação acadêmica de alunos de graduação e médicos residentes no Hospital das Clínicas. Também atua na difusão de informações dentro da temática de HIV e ISTs no Brasil, desenvolvendo atividades com ONGs, portais de comunicação, agências de notícias, seminários de educação comunitária e onde mais existir alguém que tenha vida sexual ativa e possua interesse em discutir, sem paranoias, como torná-la mais saudável.

Sobre o blog

Com uma abordagem moderna e isenta de moralismo sobre HIV e ISTs, dois assuntos que tradicionalmente são soterrados por tabus e preconceitos, Rico Vasconcelos pretende discutir aqui, de maneira leve e acessível, o que há de mais atual e embasado cientificamente circulando pelo mundo. Afinal, saber o que realmente importa sobre esse tema é o que torna uma pessoa capaz de gerenciar sua própria vulnerabilidade ao longo da vida sexual. Podendo assim encontrar as melhores maneiras para manter qualidade no sexo, e minimizar os prejuízos físicos e psicológicos associados ao HIV e ISTs.

Rico Vasconcelos